Legislações sanitárias e ambientais precisam de atenção redobrada dos técnicos

Fenea empossa nova diretoria mirando fortalecimento nacional da entidade
26 de novembro de 2021
Especialista incentiva uso do colostro na alimentação das terneiras
27 de novembro de 2021

Um grupo de apresentações de diversos especialistas formou o painel “Licenciamento Ambiental – Licenciamento de Agroindústrias”, realizado na manhã desta sexta-feira, 26 de novembro, durante o 36º Encontro Estadual dos Professores e 8º Congresso Nacional de Ensino Agrícola. Na primeira parte, três representantes do município de Rio Grande trouxeram experiências feitas junto aos produtores da cidade e como é trabalhada a questão de sanidade e organização das indústrias locais.

No primeiro painel, o técnico agrícola Glauber Perez Guerreiro falou sobre o exemplo de Rio Grande, iniciando sobre a história e a economia da cidade, e em especial a Ilha dos Marinheiros, que teve a tradição de trazer algumas culturas agrícolas para o Estado. “Os primeiros vinhedos e plantações de trigo no Rio Grande do Sul ocorreram neste local. Nos últimos dois anos um produtor está retornando com a implantação destes vinhedos”, destacou, acrescentando ainda que o município tem 192,19 mil hectares de área dos estabelecimentos agropecuários, sendo que 29,13 mil hectares são de lavouras e 22,64 mil hectares de áreas de preservação permanente.

Logo após foi a vez do responsável pelo serviço de inspeção de Rio Grande, Márcio Rocha de Campos Moraes, que falou sobre os registros de agroindústrias no município. De início, abordou a legislação do Riispoa, de 1952, que só teve uma primeira revisão do decreto apenas em 2017. “Cada município pode ter sua regra, mas é preciso haver uma equivalência. Nós já temos com o Estado e com isso podemos comercializar produtos em todo o território gaúcho”, explicou, complementando que agora o município busca a equivalência federal para a comercialização em todo o país, em especial com o pescado, que é uma das grandes produções na cidade.

Na sequência foi a vez da extensionista da Emater de Rio Grande, Andreia Lucas, apresentar o trabalho de assistência técnica e extensão rural com as agroindústrias, mostrando os benefícios para a economia da região. “Estas agroindústrias disponibilizam postos de trabalho para a região, por isso é importante fazer a regularização e a adesão aos sistemas sanitários para aumentar cada vez mais o mercado e a produção”, disse, enfatizando ainda o grande gargalo que é a informalidade e que compete com as agroindústrias regularizadas.

Finalizando, o assessor de meio ambiente e pecuária familiar da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Fetag/RS), Guilherme Velten Junior, apresentou temas relacionados à produção e preservação. Lembrou que é preciso, no Rio Grande do Sul, preservar o Bioma Pampa, que hoje tem cerca de 63% de sua área tomada pela monocultura. Para isso, a assistência técnica é fundamental para mudar o cenário. “Precisamos de políticas públicas e de melhorar a estrutura de instituições como a Emater. Necessitamos de 8,5 mil técnicos para atender a demanda da agricultura familiar”, destacou.

Sobre as agroindústrias, o dirigente mostrou a situação, na qual existem cinco mil empreendimentos, sendo que 1,5 mil estão adequados às legislações e outros 1,5 mil em processo de adequação. Além da legislação tributária, Velsen Junior também colocou que a legislação ambiental passa por mudanças de forma a agregar valor para o processo das agroindústrias familiares, no qual a Fetag apresentou propostas de melhorias nas normativas. Além disso, frisou que a legislação é rígida e é necessário que os técnicos tenham noções sobre os principais temas e regras dos códigos ambientais e sanitários. “São situações que precisamos orientar os técnicos que sairão das escolas, em especial, sobre a responsabilidade técnica, pois o peso da caneta é grande. Por isso, é preciso estar atento a estas questões ambientais”, reforçou

O evento realizado pela Associação Gaúcha dos Professores Técnicos de Ensino Agrícola (Agptea) está ocorrendo no Centro de Eventos do hotel Laghetto Viverone, no município de Rio Grande (RS).

Foto: Larissa Mamouna/Divulgação
Texto: Nestor Tipa Júnior/AgroEffective

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entrar

Perdeu sua senha?

Criar uma conta?

×

Powered by WhatsApp Chat

×