Autonomia e soberania alimentar foram destaques na abertura de Encontro de Professores

Casa da Praia 2020
28 de outubro de 2020
Futuro do setor agrícola exige formação em gestão
25 de novembro de 2020

Pela primeira vez em formato virtual devido à pandemia causada pelo Coronavírus, iniciou-se na noite desta segunda-feira, 23 de novembro, o 35º Encontro Estadual de Professores e 8º Congresso Nacional de Ensino Agrícola. O evento é promovido pela Associação Gaúcha dos Professores Técnicos de Ensino Agrícola (Agptea) em parceria com o Programa de Inovação Pedagógica (Proipe), da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). A segurança alimentar norteou o painel da primeira noite do evento.

Na abertura, o presidente da Agptea, Fritz Roloff, falou sobre o desafio da realização de um evento de forma online, assim como também está sendo desafiador o ensino em tempos de pandemia. “Este ano está nos desafiando em todos os sentidos, também no fazer pedagógico. Este evento é o rompimento de um velho paradigma e mostra que podemos inovar sim. O encontro tem a pretensão de levar elementos para que as escolas possam renovar seus currículos e que possam olhar da porteira para fora. Temos que olhar nossas escolas não só para dentro, mas envolvendo todos os participantes”, destacou.

De acordo com o presidente da Agptea, a inclusão do tema da segurança alimentar foi fundamental para o entendimento da necessidade de buscar alternativas ao modelo de produção baseado no uso dos agrotóxicos. “Entendemos que cada professor deve estar à frente do ato pedagógico com um compromisso diferente, levando em conta as questões fundamentais para oferecer uma educação de qualidade”, afirmou.

O presidente do Conselho de Diretores, Luís Carlos Cosman, salientou que este ano foi de provação para as escolas no sentido de não ter o dia a dia do aluno no diálogo presencial. “É um ano de aprendizado em que cada dia precisamos nos reinventar e buscar alternativas de manter nossas escolas vivas mesmo com o aluno participando de forma virtual. A tecnologia nos ajuda muito, mas também nos mostra que a presença humana é insubstituível. Este contato entre o professor e o aluno não será substituído pelas máquinas. Nossas escolas que formam o aluno, o profissional e o sucessor familiar mais do que nunca demonstram sua importância na sociedade como um todo”, ponderou.

Já o coordenador do Proipe, Ascísio Pereira, ressaltou a participação da universidade em articulação com a sociedade. “A formação de professores não se dá apenas no processo de formação no curso de graduação, mas no dia a dia, no seu trabalho, após a sua formação. E é um trabalho intenso no qual os professores não podem parar sua formação continuada. A construção do conhecimento e a formação não é obra, mas sim resultado de muito esforço coletivo para que as coisas aconteçam. Entendendo o papel de todos dentro do processo é que podemos ter um evento como este”, observou.

O conferencista da noite, professor e engenheiro Agrônomo e Florestal, Sebastião Pinheiro, abriu a sua fala trazendo exemplos do trabalho realizado por agricultores mexicanos para mostrar a importância do técnico em agricultura e quem o forma. Ao mesmo tempo, fez uma homenagem à Escola Normal Rural de Ayotzinapa que perdeu 43 estudantes em um acidente, estendendo para a Agptea e o ensino agrícola no Brasil. “Uma das coisas mais importantes que o México fez foi alfabetizar os agricultores adultos e tornar bolsistas todos os filhos de agricultores em escolas técnicas de agricultura”, informou, lembrando que a ética de um agricolino (técnico em agropecuária) é atender com sabedoria ao camponês “que é quem alimenta a todos nós”.

Pinheiro trouxe para o debate a questão sobre o uso de herbicidas em uma agricultura de harmonia, equilíbrio e riqueza civilizatória. “Não podemos cometer este erro, daí a importância de entender isto como técnico agrícola, como quem ensina e forma o jovem em agricultura”, lembrando o exemplo de uma escola no Norte do México onde as crianças plantam, colhem, lavam e comem as suas hortaliças. “Isto é educação para a soberania alimentar ultrassocial do camponês, que ocorre também nas Filipinas, na Índia e no Japão”, observou.

O tema pandemia também fez parte da palestra de Pinheiro. Destacou que, neste momento, milhares de pessoas querem voltar à terra para poder ter saúde e é preciso educá-las para saberem o que é a vida que está embaixo da terra. “Somos o que comemos e queremos nos alimentar com qualidade, harmonia, evolução, civilização e cultura”, enfatizou, afirmando que a pandemia mostrou a importância dos camponeses. “Autonomia e soberania alimentar com qualidade, baixo custo e para todos, é assim que pulsa o nosso coração. Plantas sãs geram alimentos sadios e crianças saudáveis. Depois desta pandemia nós vamos ter muito mais força, vamos estar mais conscientes da importância daquele que alimenta a humanidade, ou seja, os nossos camponeses”, finalizou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×

Powered by WhatsApp Chat

×