Agptea participa de audiência que discute alterações nas bases curriculares

Parceria levará profissionais da área agrícola para a Alemanha
11 de março de 2020
Agptea emite nota conjunta ao governo gaúcho sobre o combate ao Coronavírus
31 de março de 2020

A Associação Gaúcha de Professores Técnicos do Ensino Agrícola (Agptea) participou nesta terça-feira, 10 de março, de audiência pública realizada pela Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia para debater as alterações feitas pelo governo estadual nas bases curriculares do Ensino Fundamental e Médio. A entidade foi representada pelo presidente Fritz Roloff e primeira secretária Denise de Oliveira.

Em sua manifestação, o presidente da Agptea afirmou que “a lógica do mercado está galopando em nossas escolas. Me parece que isso tem um caminho bem claro, que é a privatização. O que estamos ouvindo do governo é que a nova base curricular está aí é que temos que nos virar, mesmo diante da falta gritante de profissionais, recursos e estrutura”, declarou.

No geral, as novas bases curriculares foram alvo de críticas dos participantes. A principal delas, segundo o Conselho Estadual de Educação (CEED), foi a falta de diálogo com a comunidade escolar, além da inconstitucionalidade das portarias exaradas pelo Estado. A presidente da comissão, deputada Sofia Cavedon (PT) propôs encaminhar a todas escolas do Rio Grande do Sul o documento produzido pelo Instituto Estadual Paulo Freire, onde está disposta toda a base legal para justificar a não-alteração da base curricular.

Também ficou estabelecido o convite para que as escolas e as comunidades escolares participem do Seminário de Educação, promovido pelo CPERS, no próximo dia 30, sobre a nova matriz curricular e o Fundeb. O local e o horário da iniciativa serão divulgados posteriormente. Além disso, ficou acordado entre os participantes que a Comissão de Educação irá solicitar, de forma coletiva com as demais entidades, uma audiência com o secretário de educação, Faisal Karan, sobre as novas bases curriculares.

* Com informações da Assembleia Legislativa e Cpers

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×