Agptea realiza novo roteiro de visita às escolas

Mostratec retorna de forma presencial entre 25 e 27 de outubro
27 de maio de 2022
Agptea prestigia lançamento do livro “Sem água, sem vida!”
10 de junho de 2022

A Associação Gaúcha de Professores Técnicos de Ensino Agrícola (Agptea) continuou entre os dias 1º e 4 de junho o seu roteiro de visita às escolas agrícolas e instituições parceiras. A viagem teve início no município de Caçapava do Sul, na Escola Técnica Estadual Dr. Rubens da Rosa Guedes, onde ocorreram conversas com os professores e foi possível vivenciar as atividades realizadas pela instituição de ensino.

Na sequência foi a vez da Escola Estadual de Educação Profissional Dom Pedrito, na cidade de Dom Pedrito. Nesta oportunidade, além de dialogar com os associados da Agptea e divulgar as ações da entidade, o presidente da Associação, Fritz Roloff, participou de um Seminário de Educação realizado no CTG do município. Roloff falou sobre a nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e os impactos do Novo Ensino Médio na Educação Profissional. Segundo ele, as atividades depois se desenrolaram com ênfase na relação professor/aluno no sentido de que seja possível fazer frente a esta “desconstrução” do processo pedagógico. Também foram palestrantes Ana Paula Bálsamo, Eloí Flores, Juliana Brizola e Aniara Machado.

Minas do Camaquã

A viagem teve seguimento até as Minas do Camaquã onde foram visitadas atividades ligadas à agricultura familiar, especialmente a produção de hortaliças em uma pequena propriedade de 2 hectares. “Neste local, uma família mostra que é possível exercer a agricultura familiar em pequena propriedade e gerar boa renda desde que as pessoas se qualifiquem, busquem o conhecimento e tentem incorporar novas tecnologias”, afirmou Roloff.

Conforme o presidente da Agptea, a Associação tem interesse também em fomentar investimentos nas Minas do Camaquã porque reconhece um potencial verdadeiro, “não só de turismo, mas também de apoio aos associados da região”. Roloff destaca que muitos cursos lá teriam grande valia. “A qualificação profissional é muito necessária, pois naquela área surge o novo nicho de produção agrícola que são as oliveiras, a noz-pecã e as videiras”, salientou, colocando que a meta da entidade é estudar também formas de apoiar mais cursos de qualificação profissional naquela região.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

×